sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

O nosso maior inimigo...

Fui ver o cisne negro ao cinema e este não é um post sobre o filme porque não quero estragar a história para quem o for ver, digo apenas que durante o filme estava confusa, quando saí achava que até tinha gostado e agora tenho certeza que gostei mesmo muito. Ah! A Natalie merece mesmo o Oscar.


Este post é sim sobre uma coisa que me assombrou a mente depois de ter visto o filme, quantas pessoas conhecemos que têm atitudes bem diferentes daquilo que realmente são em busca da perfeição, daquilo que pensam que têm de ser ou fazer?

Quantas pessoas conhecemos que chegam a tal ponto de exaustão pelo número de horas que trabalham que deixam de ter tempo para elas mesmas, para as famílias e para os amigos? Que chegam ao ponto de tratar mal os que as rodeiam e amam porque simplesmente é bem mais difícil ser perfeito em tudo do que aquilo que gostamos de imaginar?

É ou não comum que as pessoas cheguem quase a um estado de demência com o que exigem a elas próprias? Com o que os pais exigem delas? Com o que os chefes/professores pensam que elas têm obrigação de dar e conseguir?


Vivemos na era do “se não fores perfeito alguém o há-de ser” em que todos somos dispensáveis nos mais variados campos da nossa vida, no trabalho, na amizade, no amor… queremos ser sempre mais, mais magros/bonitos/ricos/inteligentes… vivemos no mundo dos esgotamentos, depressões, ataques de pânico e crises provocadas pelo stress, a verdade é que tanta exigência pela perfeição faz com que seja o nosso corpo a virar-se contra nós e é nesse momento que a colega que nos quer roubar o emprego, a rapariga que gosta do nosso namorado… deixam de ser os nossos maiores inimigos, é nesse momento que nós nos tornamos o nosso maior inimigo na busca pela tão adorada e desejada perfeição.

XOXO S.

P.S. O filme não é um filme simples, não é uma fórmula que qualquer pessoa gosta, é um filme complexo chegando mesmo a ser um thriller psicológico, eu gostei muito mas tenho consciência de que há muitas pessoas que vão odiar.

19 comentários:

  1. Por isso é que há Renatos Seabra e outros que tais, embora eu saiba que não te estás a referir apenas a esse tipo de atitudes. É uma questão e prioridades. Eu quando acabei o curso também fui morar para longe e estava a trabalhar na minha área mas completamente deprimida porque vivia apenas para o trabalho.
    Agora estou numa loja ao pé de casa e sou muito :D feliz!

    ResponderEliminar
  2. Mana, fiquei maravilhada com o filme. A-D-O-R-E-I!
    Já não via um filme com uma história tão bem argumentada e realizada há muitos anos. O lado dramático do filme é como poesia. E a Natalie tem de ganhar o Óscar, com todo o mérito que teve no papel que desempenhou. Soberbo!

    Beijão mana. Adoro-te! (Que cabeça a minha! Isso já tu sabes!) :) ;)

    ResponderEliminar
  3. P.S.- Mana ADOREI ESTE POST. Tão verdadeiro. E dá tanto que pensar...

    ResponderEliminar
  4. Eu vi o filme. Não odiei, gostei muito da interpretação da Natalie Portman, mas não o acho uma obra prima nem um filme "expectacular". Talvez porque tinha expectativas demasiado elevadas...

    Relativamente ao que disseste, concordo plenamente.
    Todos exigem de nós: a sociedade, os pais, os filhos, os professores/patrões...quase que não temos espaço para sermos quem somos e como queremos ser, e fazer da nossa vida aquilo que realmente queremos! É como se, não viver no sentido de alcançar essa perfeição, fosse parar e morrer ou deixar que alguém nos passe por cima! Como se já não tivéssemos integridade...

    ResponderEliminar
  5. Eu estava praticamente convencida de que não iria ver o filme, mas o que tu escreveste, de tão real e de tanto mexer comigo, acabou por me deixar com uma curiosidade enorme.

    Gostei muito do post.

    beijinho

    ResponderEliminar
  6. hoje vou casar assim, querida apesar de eu ter gostado muito não é um daqueles filmes que possa dizer "sim vai ver que vais gostar muito" porque é difícil saber.

    Mas uma coisa garanto se gostares vai valer bem a pena, se não... olha perdes um bocadinho de tempo.

    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  7. Querida S. estou muito curiosa e desejo muito ver o filme. Graças a apreciações como a tua, vou preparada para a grande carga psicológica, que esta história parece conter. Obrigada pela tua partilha.

    ResponderEliminar
  8. Eu quero ver esse filme! :)
    Acho que vou gostar!
    Kiss*

    ResponderEliminar
  9. Eu vou sem expectativas para o cinema. Porque quero ve-lo no cinema, mas ja sei mais ou menos do que se trata e espero vir invadida por um remoinho de sentimentos que me alertem para o que se passa no verdadeiro sentido do eu.

    ResponderEliminar
  10. É um filme que deperta a minha curiosidade, e agora ainda mais!

    ResponderEliminar
  11. por acaso não gostei muito do filme, achei-o um bocado confuso no final, no entanto, achei a prestação da Natalie óptima :)

    em relação as questões do stress, depressão e assim. ontem numa aula a minha prof começou a divagar e disse exactamente o que disseste sobre hoje em dia. é triste comparar o que se passou a 20 anos atras, e o que esperam de nos agora. a exigência que nos é imposta e que leva a altos niveis de stress.

    ResponderEliminar
  12. Belo post S. E quanto ao filme é sem dúvida o filme do momento. E, para mim, Natalie Portman é claramente a merecida vencedora do Óscar este ano :)

    ResponderEliminar
  13. Os primeiros comentários que ouvi do filme deixaram-me um bocado apreensiva (sou muito mariquinhas no cinema!), mas nestes dias li uma série de opiniões que me fizeram mudar de ideias, por isso, amanhã vou ver ;)

    ResponderEliminar
  14. Quando vi o filme fiquei um dia e uma noite a pensar nele.. Pode parecer estranho. Vi à noite, no dia seguinte continuei a falar dele com uma amiga minha. É tão complexo mas tão simples ao mesmo tempo. E quantas não são as pessoas que procuram a perfeição de uma forma cega? Quantas pessoas não querem subir na vida? Quantas pessoas não querem ter X profissão? Ninguém está satisfeito a 100%... E é por isso que as pessoas às vezes acabam num poço sem fundo...

    Mas este filme, para mim, é sem sombra de duvida fabuloso.

    ResponderEliminar